sábado, 29 de outubro de 2011

A expansão do grupo Abril para o Norte-Fluminense

Há rumores de que o colégio PH, escola-cursinho de elite da capital fluminense, acaba de firmar parceria com uma escola privada de Campos dos Goytacazes, no norte do estado. No acordo, a escola que não possui ensino médio, implantaria o ensino médio da rede PH, que abocanharia boa parte do "mercado" de educação na região.
É importante ressaltar que o colégio PH é parte do monopólio criminoso e perigosíssimo da Editora Abril, que engloba não só o segmento de publicações (tendo como carro chefe a revista Veja - principal porta-voz do conservadorismo da elite brasileira e dos interesses do capital internacional) mas também a MTV Brasil (um dos canais mais assistidos pelos jovens da classe média brasileira - que lança um olhar bastante paulistano e um discurso muito vazio sobre a cultura e a política brasileira) e setores centrais da educação brasileira, tanto privada (propriedade de grandes redes de ensino privado) como influência indireta no setor público, através da publicação de material didático.
Sim, senhores, a Abril é dona do Sistema Anglo de Ensino, do Sistema SER e sua mais nova aquisição foi o Curso e Colégio PH, além da escola técnica ETB e o curso preparatório para concursos públicos Siga. Não bastasse isso, a Abril também é dona de duas entre as maiores editoras de livros didáticos e paradidáticos do Brasil, a Ática e a Scipione.
Para quem pensava que o único perigo oferecido pela Abril era a Veja, saiba que a coisa é muito mais grave. Através de reportagens alarmistas em seus meios de comunicação acusam determinados livros didáticos (de outras editoras, obviamente) e também o próprio ensino de história e demais disciplinas de ciências humanas como doutrinadores ideológicos de esquerda. Veja defende o esvaziamento  da abordagem crítica por parte dos professores em detrimento do que há de mais conservador, instrumental e patético possível, que é uma abordagem extremamente factual, mecânica, burra dos conteúdos escolares.
Além disso a Abril sustenta uma verdadeira cruzada contra o ministro da educação Fernando Hadad, pré-candidato do PT à prefeitura de São Paulo e possível candidato à sucessão de Dilma na presidência da república.
Uma das grandes obras do ministro Hadad foi a ampliação da rede federal de ensino, tanto superior (com a criação de novos campi universitários no interior do Brasil e mesmo de novas universidades federais), como também do ensino básico, técnico e tecnológico (com a quase triplicação do número de escolas técnicas de nível médio, superior e até pós-graduação), através dos Institutos Federais.
Outra grande obra de Hadad foi a batalha contra o vestibular com a reformulação do ENEM democratizando o acesso ao ensino superior no Brasil, e esse é o ponto que talvez mais incomode o grupo Abril, pois o ENEM desmonta o esquemão da máfia dos cursos pré-vestibulares e do ensino privado dos quais ela é proprietária. A Abril com seu discurso tucano defende a universidade para poucos, para a elite. A Abril também e dona da maior gráfica da América Latina, que nunca venceu licitação pra imprimir as provas do ENEM. Coincidentemente o escândalo do ano passado envolvia uma gráfica, lembra?
Então, minha gente, enquanto os demotucanos estiverem na oposição sempre haverá um forte esquema de sabotagem ao ENEM. O último episódio envolvendo o Colégio Christus de Fortaleza não foi falha do governo como a Abril e a Globo tentam nos fazer crer, mas sim um ato criminoso por parte de indivíduos que não deveriam estar na sala de aula e sim na cadeia. Professores que trabalharam na aplicação dos pré-testes do ENEM copiaram as questões e as colocaram em apostilas do Christus. Os pré-testes são uma metodologia do INEP para o banco de dados de questões, são provas aplicadas esporadicamente por amostragem em escolas de diferentes características em que só os alunos tem acesso às questões, pelo menos assim deveria ser, mas algum pilantra, desses que ficam fazendo discurso contra a corrupção, se apropriou indevidamente das questões.
Por quê a imprensa não noticia esse fato como um ato criminoso de um membro importante da máfia das escolas-cursinho de elite?
Pois bem, jovens, sobretudo os de Campos dos Goytacazes, saibam que o que está vindo para a cidade faz parte desse jogo sujo. Não deixem que pensem que vocês são tão ingênuos. A iniciativa privada sempre irá detonar as políticas públicas, sobretudo quando essas são bem-sucedidas e atrapalham seus lucros. Pensem nisso.

9 comentários:

Ana Paula Motta disse...

Muito pertinente seu texto. Já compartilhei no face e mandei por e-mail para um monte de gente.
Mandam tanta corrente boba, vamos espalhar coisa boa na rede.

Maurício Quitete disse...

Tirando o discurso de sempre demonizar o PSDB, concordo com tudo. O maior culpado nas falhas do ENEM é a PF. A vigilância nas provas se torna muito “popular”, não é vista com seriedade de uma prova nacional. Os cursinhos, que visam apenas o lucro milionário feito com os preparatórios para vestibulares específicos, aproveitam essas falhas para tentar ridicularizar um exame tão importante como esse.
Texto abrangente que fornece dados importantes.
Grande mestre Rosselini!

em direção ao sol disse...

Prezado Rosselini
Imagine que estávamos no meio desse fogo avassalador...Na reunião que tivemos em Maio em S. Paulo, ainda a nossa escola tinha como bandeira o Anglo, Martha, eu e Suely, tomamos um susto. Ouvimos o presidnete da Abril falar em expansão do sistema de ensino(dominado por ela, Abril), afirmando que em breve os sistemas unificados por ela se constituiriam em sistema único nas escolas públicas brasileiras.Lemos, também, na Folha de S. Paulo, que ela ainda dispõe de 200 milhões de reais para compra de outros sistemas. Que coisa! Aquele ambiente familiar, todo voltado para educação do antigo Anglo tinha morrido, ou, como disse Pierluigi, tinha sido assassinado.Constatamos isso de perto. Hoje, não estamos mais nessa embrulhada capitalista, excessivamente selvagem, graças a Deus. Depois de 15 anos, tivemos muita coragem e, com toda dificuldade de uma escola em lenta ascensão e recuperação , seremos sempre aquela instituição que embora privada como organização, mantén uma postura saudável de escola pública.
Agradeço o seu comentário, bastante profundo e audacioso. Enviei para todos os pais, professores e amigos porque, sem ter sido sua intenção, você fortaleceu o nosso ponto de vista.
Parabéns! Está também no nosso site : www.santosdumont.net.br
Abraços
Hilda

Celso Vicente disse...

Parabéns, Rosselini, pela abordagem séria e corajosa a respeito deste grupo leviano da Abril. A compra do Anglo e do PH por esta corporação de direita constitui um retrocesso no processo de expansão educacional do país. Lamento pelos jovens que estudarão nas apostilas de História, Geografia, Sociologia e Filosofia produzidas pelas mentes reacionárias e fascistas dos intelectualóides da Abril. Será a medíocre revista "Veja" a fonte inspiradora destas apostilas a partir de agora?
Parabéns por lutar contra tudo isso!

Gustavo disse...

Caro Rodrigo, achei bastante interessante sua análise da ofensiva do grupo Abril sobre alguns setores da educação pública e privada no Brasil, nisso temos acordo. Agora não posso concordar com a defesa da expansão dirigida pelo ministro Fernando Haddad, que é o mesmo que defende o PNE (Plano Nacional de Educação) retrógrado do PT, que junto com o MPOG e a presidenta ignorou o movimento grevista da categorias ligadas a educação em 2012 e que na intransigência negaram as reivindicações de SINASEFE e FASUBRA. O governo Dilma e seus ministros que caem um a um por denúncias de corrupção é farinho da mesmo saco que o grupo Abril e precisamos denunciar ambos para sociedade brasileira.

Rodrigo Rosselini disse...

Caro Gustavo, quando falo das políticas do ministério da educação, me refiro a um quadro comparativo entre os 8 anos de governo FHC (certamente podemos ir mais longe) e as transformações que ocorreram no governo Lula. Como estudante na década de 1990 e agora, como professor, percebo uma grande diferença. A expansão ocorreu não só fisicamente. Novos cursos foram criados, novos professores foram contratados (eu e você somos exemplo disso).
Por outro lado entendo que devemos lutar para que não haja perda qualitativa. Não acho que nossa greve foi contra o MEC, mas sim contra o MPOG.
E quanto ao ENEM, não há como negar seu avanço, não só no sentido de política de acesso mas também como método avaliativo, como proposta pedagógica. As questões não se limitam ao conteudismo que os vestibulares sempre impuseram às grades curriculares do Ensino Médio.
Nossa discordância nesse ponto talvez seja porque militemos em aspectos diferentes do campo da educação.

Anônimo disse...

É bom que você esteja preparado para responder, judicialmente, por algumas afirmações infantis, levianas e detratoras que pôs nesse mafuá. Inté

Souza___ disse...

Vc trabalha na globo ou votou em Garotinho??? Mané

Ana Paula Motta disse...

Só rindo com esses paspalhos, paus mandados que sabemos bem quem são. Seria cômico se não fosse ridículo.